Início > Notícias do Consulado
BOLETIM DENOTÍCIAS ATUALIZADAS SOBRE A SITUAÇÃO DO CORONAVÍRUS
2020/02/06

EMBAIXADA DA REPÚBLICA POPULAR DA CHINA NO BRASIL

BOLETIM DENOTÍCIAS ATUALIZADAS SOBRE A SITUAÇÃO DO CORONAVÍRUS

4 DE FEVEREIRO DE 2020

Seção de Imprensa e Diplomacia Pública

Twitter Oficial da Embaixada

@EmbaixadaChina

Imprensa e Diplomacia Pública 04/02/2020

CORONAVÍRUS

CHINA VAI FACILITAR RETIRADA DE BRASILEIROS DE WUHAN

Yang Wanming reuniu-se nesta terça-feira (4). em Brasília, com os ministros Tereza Cristina (Agricultura) e Tarcísio de Freitas (Infraestrutura).

O embaixador da China, Yang Wanming, disse nesta terça-feira (4) que o país respeita a decisão do Brasil de retirar cidadãos brasileiros que estão em Wuhan e que vai facilitar os trâmites.

A cidade de Wuham é a mais afetada pela epidemia de coronavírus na China. Até esta terça-feira, o país contabilizava 426 mortes provocadas pela doença e mais de 20 mil casos confirmados. No total, 24 países registram casos de coronavírus. O Brasil investiga 14 casos suspeitos.

"Respeitamos a decisão do governo do Brasil e entendemos essa decisão. Vamos prestar nosso apoio para os brasileiros que moram na China, facilitar, prestar as facilitações dos trâmites na cidade de Wuhan", disse. Yang Wanming deu as declarações nesta terça após reunir-se, em Brasília, com os ministros Tereza Cristina (Agricultura) e Tarcísio de Freitas (Infraestrutura). De acordo com o embaixador, a China tem um canal muito fluído com o Itamaraty e com o governo brasileiro e um comitê especial para tratar do coronavírus foi criado.

"Com base no espírito de abertura e transparência, nós vamos transmitir as informações e atualidades sobre essa doença para o Brasil e toda a comunidade internacional", disse. Até a última atualização desta reportagem, a China já tinha confirmado 425 mortes e mais de 20 mil casos da doença (veja no vídeo abaixo).

Wanming avaliou que a propagação do coronavírus é um desafio comum a todos os países da comunidade internacional, necessitando a coordenação e cooperação entre os países.

Agronegócio

O embaixador chinês disse que o governo brasileiro se comprometeu a não impor qualquer restrição ao comércio com a China. "Todos os esforços foram tomados para combater o coronavírus lá na China. E temos toda a confiança que a relação sino-brasileira, o agronegócio, não será prejudicada. E o Brasil, o governo brasileiro também prometeu não impor qualquer restrição a nossa, ao nosso comércio. Espero que a nossa relação no agronegócio seja cada dia mais consolidada", afirmou Wanming.

A ministra da Agricultura disse que, na conversa com o embaixador, ele detalhou as medidas tomadas pelo governo chinês para tentar conter a propagação do novo coronavírus.Tereza Cristina reafirmou o acordo de não impor nenhuma restrição aos produtos chineses motivada pelos efeitos do coronavírus. Ela lembrou que o Brasil é o principal exportador de soja para a China, além do comércio de todos os tipos de proteína – frango, porco, bovinos.De acordo com a ministra, o coronavírus e a gripe aviária que atingem a China não devem trazer "sobressaltos" à balança comercial dos dois países.

G1 4 de fevereiro

Imprensa e Diplomacia Pública 04/02/2020

MEDIDAS ADOTADAS PELA CHINA REDUZIRAM RISCO DE TRANSMISSÃO DO CORONAVÍRUS

O embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, afirmou que o governo chinês se comprometeu a tomar medidas mais rigorosas para conter a propagação do coronavírus dentro e fora do país. Segundo ele, os esforços têm diminuído o risco de transmissão da doença. Sobre o processo de retirada de brasileiros da cidade de Wuhan, epicentro do vírus, o diplomata disse apenas que os governos já estabeleceram processos de troca de informações para isso. “O governo chinês se comprometeu a tomar medidas mais rigorosas para conter a propagação internamente e para outros países com base no espírito da responsabilidade”, afirmou a jornalistas. “Já foram adotadas várias medidas. Todas as agências de turismo suspenderam grupos turísticos para pontos fora do país e qualquer turista chinês é obrigado a passar por inspeção de saúde e outros testes antes de passar na alfândega”, completou. Após reunião com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, em Brasília hoje pela manhã, Wanming disse que as relações comerciais bilaterais na área de agronegócios vão se manter consolidadas e cada vez mais estreitas. “Produtos como soja e carnes bovina e de frango estão sendo exportados para a China. A relação no agronegócio vai ser cada dia mais estreita”, reiterou (...) O governo brasileiro prometeu não impor qualquer restrição ao nosso comércio. Espero que a relação seja cada dia mais consolidada”, afirmou.

O embaixador deve se reunir ainda hoje com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Valor Investe 4 de fevereiro

CHINA IMPORTA US$ 117 MILHÕES DE SUPRIMENTOS MÉDICOS PARA COMBATER NOVO CORONAVÍRUS

A China importou mais de 810 milhões de yuans (US$ 117 milhões) de suprimentos médicos até este domingo para aliviar sua escassez doméstica, em meio aos esforços para conter o novo surto do coronavírus (2019-nCoV), segundo os dados alfandegários divulgados na segunda-feira. De 24 de janeiro a 2 de fevereiro, a China importou cerca de 240 milhões de itens de suprimentos médicos, incluindo 220 milhões de máscaras, 2,53 milhões de roupas de proteção e 279 mil óculos protetores, informou a Administração Geral das Alfândegas.

As autoridades alfandegárias de todo o país proveram um rápido desembaraço aduaneiro para a entrada de materiais que serão usados na prevenção e controle do novo coronavírus. Ao expandir as compras globais para aliviar a escassez doméstica, a China também encorajou as empresas do país a retomarem a produção dos materiais médicos em falta.

Xinhua 4 de fevereiro

Imprensa e Diplomacia Pública 04/02/2020

CORONAVÍRUS: VÍDEO ACELERADO MOSTRA CONSTRUÇÃO DE HOSPITAL NA CHINA EM 10 DIAS

BBC News Brasil 3 de fevereiro

ENCOMENDA DA CHINA PODE VIR INFECTADA COM CORONAVÍRUS? DR. DRAUZIO VARELLA RESPONDE

Doutor Drauzio Varella ajuda a entender melhor essa doença e responde dúvidas mais frequentes sobre o vírus que está assustando o mundo todo.

2 - O Brasil realmente tem estrutura para conter um surto como na China?

O Brasil tem sim estrutura para conter um surto, se é que ele vai acontecer. Principalmente estrutura de vigilância epidemiológica, que é a estrutura central do Ministério da Saúde, que atua com os estados, tentando mapear a epidemia, se ela ocorrer.

3 - Ao comprar um produto da China, a caixa e embalagem podem estar infectadas? Ou o vírus é transmitido apenas por contato humano?

O vírus só é transmitido entre humanos e não sobrevive mais de 24 horas fora do organismo humano, ou de algum animal. Você pode sim comprar produtos chineses à vontade.

G1 4 de fevereiro

Imprensa e Diplomacia Pública 04/02/2020

O CORONAVÍRUS É GRAVE E AMEAÇA, MAS, POR ORA, NÃO HÁ MOTIVO PARA PÂNICO NO BRASIL

Desde pelo menos o governo do general Ernesto Geisel, no início da transição da ditadura para a democracia, o Brasil tem uma cultura de saúde pública exemplar e quadros de sanitaristas respeitados no mundo todo. Logo, é capaz de reagir à altura numa ameaça global como o coronavírus, que vem da China e se espalha por todos os continentes. Aliás, a política de saúde pública de Geisel e seu ministro, sanitarista Paulo Almeida Machado, era baseada na interiorização, no olho no olho, nos “médicos de pés descalços” da... China! O regime brasileiro era obviamente de direita, e o chinês, comunista. Mas pesou menos a ideologia e mais a saúde de massas. Assim foram definidas a política e as equipes que influenciam gerações até hoje. É por isso que, agora, não há motivo para pânico no Brasil. A situação é preocupante, com a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarando emergência internacional e o governo brasileiro replicando com emergência nacional. Mas todas as medidas possíveis estão sendo tomadas: a detecção de casos suspeitos, o monitoramento, as pesquisas. Todo o ambiente da saúde, no ministério, nos órgãos de pesquisa, na área privada, é de alerta e presteza.

A crise, inclusive, joga no cenário político o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Ele demorou a entrar em cena, mas agiu nos bastidores e gabinetes e já está devidamente seguro e bem informado para enfrentar holofotes e perguntas. Quanto ao envio de um avião fretado para resgatar brasileiros no epicentro da epidemia, na China, foi amadurecido desde a sexta-feira por Defesa, Itamaraty, Saúde e GSI.

Estadão 4 de fevereiro

Suggest to a friend:   
Print